A Energia Positiva do Voto

6 de outubro de 2018

Aprendemos a contar de um a dez, que a semana tem sete dias e que um deles é o domingo. A Constituição de 1988 foi promulgada, entrou em vigor, no dia 5 de outubro e fixa o primeiro domingo do mês para realização de eleições. Uma data bem próxima da outra, a ponto de poderem coincidir, de anos em anos.

O acaso andou distante da organização desse momento de confluência de energias positivas lançadas sobre os direitos dos brasileiros.

As campanhas eleitorais reacendem esperanças e as frustrações de resultados adversos se apequenam com a possibilidade do conjunto da população viver dias melhores.
Assim é a Democracia. Assim, todo poder emana do povo.

O ato de votar é o momento mais expressivo do exercício magnífico desse Poder. Nas horas que o antecedem, boatos, mentiras, armações e outras delinquências tentam confundi-lo, deformá-lo, cometidos por muitos que se habilitam à vida pública.

De certa maneira, levam provisória vantagem sobre os que, submetidos às leis, abstêm-se de tais práticas maléficas.

O tempo acaba por desmascara-los e a Justiça, espera-se, fica encarregada de condena-los.

Falta ajustar o tempo entre a prática e a punição do crime, para garantir a vontade e os direitos soberanos do Povo.

Como se diz em vários idiomas, justiça lenta não é Justiça.