Marina Sabe Atravessar o Pântano

20 de agosto de 2014

Choramos a dor, que custará a passar.

A Catedral de Brasília lotada, na missa de sétimo dia (uma delas) expressava o quanto Eduardo Campos merecia de estima, admiração e respeito.

Mesmo ainda no luto, voltemos ao trabalho.

Recai sobre os ombros de Marina a responsabilidade de habilitar-se à Presidência da República a menos de dois meses da eleição, tarefa da qual ela se encarregará sem perder as características que lhe deram o que de melhor pode desejar um político: a confiança da população.

Marina supera desafios da vida e por isso está apta a superar o desafio de governar e lhes afirmo, com alguma facilidade.

Tal convicção nasce da observação de uma personalidade que não se deslumbrou com o Poder, quer como Senadora, quer como Ministra de Estado.

Tem a melhor das experiências para a formação na vida pública, como demonstra a história recente. Tancredo, Sarney, Itamar, Fernando Henrique e Lula passaram pelo Parlamento, onde se aprende o que fazer e o que não fazer.

Ao concluir o possível mandato, continuará inexperiente no que hoje tenho a certeza que é.

Inexperiente em falcatruas, roubalheiras, manipulações. Por esses terrenos jamais caminhou e se o exercício da política é um pântano, Marina o atravessa sem sujar a sola dos pés.